alternativas de desenvolvimento decolonial: uma contra-cartografia de territórios urbanos tradicionais dos povos do pará e de minas gerais, brasil

Fenômenos como a urbanização extensiva, a expansão das fronteiras extrativistas e conflitos violentos levaram a transformações urbanas significativas, sendo a desterritorialização uma característica desse impacto. Isso é evidente nos estados brasileiros do Pará e Minas Gerais, onde o deslocamento e a migração rural-urbana associadas à mineração, agronegócio, extrativismo e desenvolvimento de infraestrutura remodelaram drasticamente territórios e identidades. Tais processos afetam particularmente os povos tradicionais, termo usado aqui para se referir aos povos indígenas, caboclos (pessoas de ascendência mista), quilombolas (descendentes de escravos afro-brasileiros) e ribeirinhos (comunidades fluviais). Os povos tradicionais, no entanto, não são de forma alguma vítimas passivas, mas desafiam o deslocamento e promovem suas próprias alternativas de desenvolvimento urbano sustentável.

Este projeto compara como os povos tradicionais do Pará e Minas Gerais formam, imaginam e gerenciam de forma colaborativa o espaço urbano. Ao fazê-lo, gera novos entendimentos sobre concepções inovadoras para intervenções urbanas sustentáveis.

No Pará, foram trabalhadas as seguintes comunidades: 

  • Território Quilombola do Abacatal

  • Territórios de Reforma Agrária na Ilha de Mosqueiro

  • Comunidade ribeirinha e quilombola na Ilha do Maracujá

  • Territórios de Alter do Chão e Projeto de Assentamento Agroextrativista, ambos em Santarém

  • Indígenas estudantes no bairro do Guamá

A partir das pesquisas exploratórias foram produzidos diversos materiais, destinados ao âmbito acadêmico (principalmente em forma de artigos), mas também com objetivos de retorno à sociedade e às comunidades estudadas, com produções lúdicas, didáticas e interativas disponíveis abaixo.

Conheça o site do projeto

Sobre o que é?

Origens e financiamento

O objetivo de conhecer a espacialidade e os modos de vida praticados dentro da trama de matas e rios que resiste no contexto metropolitano paraense foi o ponto de partida para a proposta do Projeto Contracartografias. Contudo, esta iniciativa teve o apoio da PROPESP/UFPA por meio do edital PACI, para financiamento de uma missão científica de Philipp Horn, professor do Departamento de Planejamento Urbano da Universidade de Sheffield (Reino Unido) à UFPA, para desenvolvimento e submissão de projeto de pesquisa conjunto. A proposta desenvolvida durante a missão foi aprovada pelo Global Challenges Research Fund, para ação conjunta entre UFPA, UFMG e Universidade de Sheffield entre agosto de 2020 e julho de 2021. O financiamento permitiu a contratação de estudantes da UFPA, vinculados às comunidades estudadas, como bolsistas do projeto, e uma experiência de pesquisa inovadora, a partir do protagonismo assumido por estes estudantes na mediação da interlocução entre academia e duas comunidades.

Desdobramentos

Para desenvolvimento do projeto foram feitas parcerias com pesquisadores do ICSA, que já desenvolviam ações de extensão junto a indígenas e quilombolas estudantes, assim como com equipe da ICA e do ITEC para desenvolvimento dos produtos de divulgação científica dos resultados da pesquisa: livretos, vídeos, jogos e animações, voltadas para todas as faixas etárias e tipos de públicos, mas especialmente para estudantes do ensino médio e fundamental das próprias comunidades, dada a escassez de material didático sobre a realidade em que vivem.

Vídeos

capa_Prancheta 1 cpia 13_Prancheta 1 cpia 13_Prancheta 1 cpia 13.jpg

Apontamentos Sobre as Entrevistas Realizadas na Ilha do Maracujá, Acará (PA)

capa_Prancheta 1 (1).jpg

Territórios de Reforma Agrária da Região Metropolitana de Belém

Sem título.png

Síntese de dados: Ilha do Maracujá

capa_Prancheta 1.jpg

Apontamentos Sobre as Entrevistas Realizadas no Território Quilombola de Abacatal, Ananindeua (PA)

vfhmjn.png

Os Indígenas Estudantes no Bairro do Guamá: Uma nova realidade fora das aldeias

fgbxd.png

Os casos do município de Santarém PA: PAE Eixo Forte e Território Indígena Alter do Chão

Produção técnica

 
 

Em breve!

Livretos da Turma da Beira

O projeto também produziu seis livretos sobre as áreas pesquisadas. São materiais ilustrados e numa linguagem acessível para diversos públicos,, apresentados por uma turma de personagens chamada Turma da Beira (clique nas imagens para acessar os materiais em PDF!)

1.png

Livreto "Turma da Beira na Ilha do Maracujá"

4.png

Livreto "Turma da Beira nos Territórios de Reforma Agrária de Mosqueiro"

2.png

Livreto "Turma da Beira e os indígenas estudantes na UFPA"

5.png

Livreto "Turma da Beira no território indígenas de Alter do Chão"

3.png

Livreto "Turma da Beira e os quilombolas estudantes na UFPA"

6.png

Livreto "Turma da Beira em roda de conversa com indígenas que vivem na cidade"

 

Jogo 

Em breve!